A relação mente-corpoOutros

Vamos falar de angústia (mais ou menos) rapidão?

Pode parecer um convite estranho esse que fiz aí no título, mas devo dizer que acho o tema da angústia de máxima importância.

Num mundo em que já era proibido ficar velha, ser gorda, ser não-branca, ser homossexual, ter inseguranças, ter fraquezas, sentir medo, ter incertezas, ficar entediada e mais um MONTE DE COISA, parece que também já não podemos ficar tristes.

E me parece que qualquer mal-estar agora só dá sinais nos formatos de reclamações, memes e piadinhas.

Acredito que as consequências podem ser bem problemáticas, e eu falo um pouco mais sobre isso nesse vídeo aqui embaixo ó, que era pra ser um recado rápido e bonito, mas acabou como uma coleção de pensamentos soltos que tive, transmitidos com uma péssima iluminação, cores bizarras, som estranho e edição bastante precária. Ah, e não ficou assim tão rápido, não.

Mas o tema é legal, vê aí!

Por fim, dois trechinhos de Pessoa pra acompanhar esse singelo vídeo:

“Na casa defronte de mim e dos meus sonhos,
Que felicidade há sempre!
Moram ali pessoas que desconheço, que já vi mas não vi.
São felizes, porque não são eu. (…)”

Fernando Pessoa /Poesias de Álvaro de Campos

“Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.
(…)
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.
(…)
Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma covardia!
Não, são todos o Ideal, se os ouço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,

Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?

Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra? (…)”

Fernando Pessoa/Obra Poética

E aqui estão os textos a que me referi no vídeo:

Parar faz parte

Pare. Olhe. Escute

Imagem: Reprodução Google