Pare de tentar mudar seus hábitos!

Posted on Posted in A relação mente-corpo, Alimentação, Cuidados com a Saúde, Estilo de Vida

Chega de tentar modificar todos os hábitos que você tem

É, eu disse isso mesmo. Chega. Pode parar de tentar diminuir o açúcar, beber menos álcool ou comer menos batata frita. Não tente ficar menos estressado, assistir menos TV ou se desfazer de pensamentos negativos. Aliás, aproveitando a oportunidade, também sugiro que não resolva começar a correr ou tomar suco verde diariamente. Nem pense em aprender a meditar, beber mais água, fazer alongamentos ou incluir mais vegetais na sua alimentação. Chega de tantas promessas, resoluções e decisões categóricas.

Por quê? Sim, eu posso explicar. Aposto que você já falou ou ouviu alguém falando algo como “Essa é a última vez que faço isso! Juro. A partir de amanhã, serei outra pessoa!”.

Nem vem, seu donut danado, essa semana você não me pega! hehe
Nem vem, seu donut danado, essa semana você não me pega! hehe

Pode ser sobre nunca mais exagerar nos doces, deixar de se exercitar, ir dormir de madrugada ou adiar um compromisso importante. Mas, independente das promessas, logo depois lá está a pessoa… de volta aos doces em excesso, indo deitar depois das 3 da manhã, encontrando desculpas para não fazer a caminhada ou não atender algum prazo combinado. Quantas vezes já vimos isso acontecer?

A questão principal é que, independente de quantas promessas sejam feitas, amanhã, na segunda-feira ou na semana que vem, você não vai ser outra pessoa. Não vai, magicamente, mudar seus hábitos alimentares e descobrir um desejo incontrolável por exercícios físicos. Não adianta, você vai continuar sendo você mesma. Planejar ser outra pessoa completamente nova e fazer coisas absolutamente diferentes em poucos dias não é o que considero o melhor começo.
tumblr_lw08ja4c8h1qmggloo1_500E, antes que me ache maluca, eu não estou dizendo que é impossível mudar hábitos, mas que há algumas coisas a serem consideradas para começar da forma mais proveitosa possível essa tentativa.

Acredito que o mais importante antes de iniciar com as resoluções e cobranças, é se perguntar o porquê de fazer isso.

Por que você quer mudar esses hábitos? Qual a sua motivação? De verdade, pare de fazer tantas promessas a si mesma e permita-se parar e pensar um pouco. Sua vontade de mudar esse comportamento vem de razões externas ou internas? Por mais que incentivos externos, como aceitação e recompensas, possam ser grandes estimuladores para nós, eu acredito que não há nada mais motivador do que a nossa verdadeira vontade de fazer algo. Sinceramente… Nós, os seres humaninhos, simplesmente adoramos fazer exatamente o que a gente quer. Do jeito que a gente quer. Na hora em que a gente tem vontade. Por que com a mudança de hábitos seria diferente?

E é muito importante fazer a diferenciação entre o que nós realmente queremos e aquilo que só achamos que queremos ou achamos que deveríamos fazer.

Ter uma alimentação mais equilibrada pra se sentir bem e cheia de energia ou porque a matéria fitness disse que é preciso fazer dieta pra ter o corpo mais “bonito”? Começar a correr pra fortalecer os músculos e descobrir o próprio potencial ou porque o médico disse que tem que fazer atividade física? Beber mais água para descobrir as respostas do seu corpo a essa mudança ou só porque todo mundo disse que tem que ser assim? Mudar hábitos porque você acredita que vai ser melhor ou porque, em todo canto, alguém ou alguma coisa te diz que está errada se não fizer isso?
bb
Ninguém muda porque acredita ser errado, fraco, sem atitude, digno de pena, preguiçoso ou incapaz. Na verdade, quanto mais são reforçadas essas ideias, me parece que temos menos ânimo e disposição para fazer novas tentativas. Por que eu pensaria em fazer algo diferente, se não tenho força de vontade nem posso confiar em mim mesma? Acredite: motivações negativas disfarçadas de incentivo benéfico não ajudam ninguém no processo da mudança de hábitos.

E, além de tudo, o mais importante de saber se você realmente quer fazer algo é ter a certeza de que você está pronta para fazer isso. Saber que, apesar das possíveis dificuldades ou falhas, você está pronta para assumir um compromisso consigo mesma e iniciar esse processo de mudanças. Quando fazemos promessas a nós mesmas antes de saber se estamos realmente prontas, acaba acontecendo o que vemos tanto por aí – as tentativas são dolorosas, o hábito dura pouco tempo e a falha é vista como falta de força de vontade. No fim das contas, você acaba se enxergando como errada e incompetente, enquanto, na verdade, nunca esteve realmente disposta a assumir o compromisso de fazer essa grande mudança.
147505350_6c98391256_bAgora, aposto que você está bem aí com a seguinte pergunta na cabeça: “Mas como é que eu vou saber se realmente quero mudar ou se só estou achando que quero?”

Antes de falar sobre isso, vou adiantar que você já sabe a resposta para ela. Ou ainda vai saber, quando for o momento. É o tipo de coisa que simplesmente sabemos, é sentido, e não precisamos de indicadores externos ou plaquinhas anunciando “Atenção! A hora é agora!”. Mas, se você quiser dicas sobre como notar essa diferença, sugiro que preste atenção em como você se sente em relação a essa possível mudança.

Mudar um hábito é algo que exige disposição, e, quando as motivações para fazer isso vêm de razões negativas externas, é comum que pareça uma ideia muito dolorosa. Se a simples ideia de fazer a caminhada todos os dias é algo praticamente insuportável, há uma grande chance de que você está fazendo isso porque alguém disse que estaria errada se não fizesse, e não porque você realmente quer. Se só pensar em mudar um hábito já te parece um enorme sacrifício, se causa dor e infelicidade, é porque você ainda não está pronta.

crysalideMas calma! Há tempo. Mudanças duradouras acontecem em pequenos passos, e o primeiro deles é realmente se preparar para elas. Seja flexível, seja gentil consigo mesma, entenda de onde vem a sua vontade de mudar, aprenda como você funciona e que caminho é o melhor no seu caso. Sinceramente, eu acho muito mais proveitoso levar um tempo analisando suas motivações e desejos do que pular de cabeça em uma mudança de hábito qualquer.

Ah… e agora você quer saber como realmente querer fazer essas mudanças, não é? O que nos leva a sinceramente desejar mudanças positivas na nossa vida?

Bom, para isso, a resposta é muito simples… autoestima e amor próprio.

Sim, isso mesmo. Parece contraditório, mas apenas quando aceitamos e gostamos de quem somos, exatamente como somos neste momento, é que surge a vontade de mudar positivamente. Para se cuidar e para buscar, cada dia mais, o seu melhor!
10355875_10152104745496637_2457083088291612360_n
Pense comigo, o que parece mais proveitoso: pensar “você precisa mudar, sua preguiçosa sem força de vontade!” ou “eu gosto de mim, por isso quero o melhor para minha saúde e minha vida”?

Quando nos forçamos a fazer mudanças e tomar decisões sob pressões negativas externas, não demora muito para que encontremos formas de sabotar a tentativa e recomeçar o ciclo de culpa e frustração. É nossa forma de avisar pra gente mesmo que aquilo ali não está dando certo, que tem alguma coisa faltando. Mas, uma vez que você conhece realmente seus motivos e intenções, os passos necessários para fazer a mudança se tornam claros e alcançáveis. A ideia deixa de ser um sacrifício, e você passa a encarar essa possibilidade com ânimo e disposição. Então não, não tente mudar seus hábitos ainda. Que tal descobrir o que você realmente quer?

 Imagens: Reprodução Flickr
Reprodução Google Images

12 comentários em “Pare de tentar mudar seus hábitos!

  1. Oiê, Dirlene!

    Que legal saber que achou meu blog aí pelo mundo, ainda mais num texto com tema tão importante! 😀

    Nossa, fiquei muito feliz em saber que gostou do meu trabalho e, uau, que usa meus textos pra espalhar essa mensagem por aí. Eu que agradeço pela gentileza e por acompanhar os meus textos!

    É verdade que essa mudança de comportamento e de mentalidade ainda está só no início, e, na maior parte das vezes, comportamentos condicionados e hábitos são mesmo mais complicados de mudar, mas, aos poucos, é possível. Bom saber que tem mais alguém por aí trabalhando por um mundo com mais autoestima e menos complicação. Vamos juntas! <3

    Beijo!

  2. Olá Ariela, encontrei seu blog num texto em outro blog que falava do dia sem dieta, havia um link e resolvi clicar, gostei e assinei. Hoje recebi seu primeiro texto por e-mail. É lindo o trabalho que você desenvolve, através dos seus textos, inclusive este, estou ajudando outras pessoas a parar de brigar com seus corpos, aprender a se amar, confesso que poucos estão dispostos a essas mudanças que acontecem lentamente, sempre querem um cardápio, mas a experiência tem mostrado que cardápio não ajuda em nada se a pessoa não sabe ouvir as suas sensações (fome/saciedade), enfim… Quero agradecer por dividir conosco esses textos maravilhosos que você escreve. Parabéns pelo trabalho!

    Um abraço!!

  3. Oi, Tatiana.

    Seu comentário iluminou o meu dia, então muito, muito obrigada pela gentileza de vir aqui me contar um pouco sobre a sua história e do que achou do texto! <3

    Acredito que essa visão que você nota nos meus textos é um reflexo de ter sentido na pele todas essas agressões e imposições a que somos submetidas e, através de muita reflexão e estudo, ter encontrado um caminho para me desvencilhar de tudo isso. E, claro, ajudar outras pessoas que também querem seguir por este caminho. 🙂 Então, fico realmente emocionada em saber que tenho sido capaz de transmitir isso, e de propor esta reflexão.

    Apesar das dificuldades que encontramos em desconstruir todos esses conceitos e pré-determinações, garanto que vale muito a pena, pela sensação de liberdade obtida. Desejo todo sucesso possível para a sua jornada e espero que continue acompanhando o blog!

    Mais uma vez, obrigada. Abraços!

  4. Olá Ariela,

    Só li hoje seu texto e adorei! Estou fazendo terapia e isso tem ajudado a me conhecer melhor realmente, mas quando me deparei com este texto incrível comecei de imediato a fazer diversas perguntas a mim mesma sobre alguns hábitos. Certas vezes fazemos coisas tão repetidas vezes que aquilo se confunde com quem somos quando na verdade é só como aprendemos a reagir. Estou num momento da terapia de deixar minha criança cheia de vontades, impulsiva e imediatista ir embora, mas não é fácil realmente, como você observou lindamente. Estou a volta com dietas e tratamentos para emagrecer há 20 anos, desde os 12, e é notório a falta de uma visão como a sua em profissionais nesta área. Mais uma vez gostaria de parabeniza-la pela visão holística e sensível em relação as pessoas! Muita luz em seu caminho! Forte abraço 🙂

  5. Uau, Fernanda, eu que agradeço! Que comentário lindo. <3

    Você acabou de resumir de forma clara e real tudo que eu tentei passar no texto – a mudança verdadeira começa de dentro pra fora, e começa com a gente cuidando da autoestima!

    Eu bem sei como é difícil resistir diante de tantos padrões, julgamentos, cobranças etc., mas acho que o caminho é esse mesmo: se voltar pra dentro e aprender a valorizar quem somos. Nada compensa o sofrimento de viver em guerra consigo mesma.

    Ainda bem que existem também mais profissionais por aí nos ajudando a mudar esses pontos de vista!

    Te desejo muito boa sorte na sua caminhada e espero que continue acompanhando o blog.

    Obrigada e abraços!

  6. Nunca me identifiquei tanto com um texto em algum momento da minha vida como esse… Sou gordinha, tenho 1,80m e peso 107kg! Tenho quase 29 anos! Sempre vive a mercê de dietas, sofrendo a cada nova desistência, me cobrando pelo que as outras pensavam de mim! Após um ano de terapia com uma psicóloga MARAVILHOSA, entendi que eu desistia porque eu não queria mudar, realmente… Não me sentia mal por mim mesma! Me sentia mal pelo julgamento dos outros… E a partir daí, consegui me aceitar! Hoje, a passos pequenos e dentro do que EU QUERO, luto por uma vida mais saudável, para ser um pouco mais ágil, ter um pouco mais de disposição… E se o emagrecimento vier junto, melhor! Senão, tudo bem também! Atualmente o que me importa é meu bem estar e minha saúde, não mais a opinião dos outros! Lindo texto! Muito obrigada

  7. Oi, Chico!

    Que ótimo que gostou do texto e do site também! Muito obrigada pelos elogios e por compartilhar sua experiência com mudanças – concordo plenamente com sua colocação em que extrapolou o conceito colocado no texto sobre a mudança de hábitos para todas as outras decisões que tomamos. Antes de ir em busca do que, começar pelo porquê!

    Espero que continua acompanhando as postagens. 🙂

    Abraços!

  8. Existe em cada um de nós uma briga constante e as vezes bem violenta sobre mudanças. Eu mesmo me pego em diversos momentos “saindo na mão” comigo mesmo em pensando tentando decidir se aquele ou outro projeto é melhor do que o que eu estou fazendo agora, se correr hoje a noite é melhor do que ler um livro no meu cantinho. A necessidade de mudança de hábitos esta ligada ao progresso e isso foi sublinhado pela vida mesmo. Mudar é progredir. Mas progredir para algo que não sabemos se queremos ou por imposição das outras pessoas ou de artigos em revistas não é progresso de verdade.

    Todo progresso é doloroso, mas se for feito como você cita no texto, Ariela, ai sim eu acredito que é o progresso correto, aquele que nos dá alegria.

    Mas a busca pelo descobrimento do que se quer deve mesmo ser constante e antes de qualquer passo. Isso é para tudo na vida.

    Adorei o texto e o site. Parabéns!

  9. Olá! 🙂

    Muito, muito obrigada pelo seu comentário e pela gentileza! Fico super feliz que haja gente por aí que enxerga o mesmo caminho que eu, que é o caminho do amor próprio, de ser gentil consigo mesma e de respeitar quem somos. Não podemos mesmo desistir. vamos juntas!

    Abraços!

  10. Simplesmente magnífico! É disso que precisamos, pessoas que nos façam enxergar que tudo começa gostando de nós exatamente como somos, não é nada fácil mas não podemos desistir! Obrigada!!

  11. Oi, Cecília!

    Fiquei feliz demais com o seu comentário, eu que agradeço por ler o blog e pela gentileza da sua mensagem! Fico feliz em saber que te ajudou a esclarecer um pouquinho as coisas. 🙂

    Abraços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *