AlimentaçãoEstilo de Vida

Cuidado com o que você NÃO vai comer nas festas de fim de ano

rabanadaEstamos na semana que antecede o Natal e eu estive pensando em muitas coisas relacionadas às comemorações de fim de ano. Sim, tenho pensado tudo aquilo de agradecimentos, espírito de renovação, reunião de pessoas queridas também, claro, mas principalmente em comida. Mais especificamente, em como a comida é uma parte importante da festa, como são apetitosos os pratos tradicionais, como alguns deles estão intimamente ligados a memórias queridas e também como algumas pessoas simplesmente escolherão não aproveitar nada disso. Sim, é a realidade. Ou vai dizer que não ouviu alguém jurar que vai fazer o possível pra não “fugir da dieta” no Natal? Não viu por aí nenhuma dica para ter uma “ceia sem culpa”? Inúmeras revistas e sites tentam te convencer de que não vale a pena “ceder às tentações”, ao mesmo tempo que enchem os olhos com receitas mais do que tentadoras.
Por esses e outros motivos, fiquei com muita vontade de vir aqui fazer um alerta:
Tome muito cuidado com tudo que você não vai comer durante as comemorações de Natal e Ano Novo.
Se eu pudesse ir mais longe e sugerir outra coisa, seria que você relaxasse e buscasse se permitir aproveitar todas as delícias culinárias da época.

“Mas espera aí… você não sabe que muitas delas fazem mal? Que são fritas, empanadas, adoçadas e cobertas com todos os ingredientes que você diz para evitar? Por acaso não se preocupa mais com a saúde?”

Isso acima foi uma tentativa de reproduzir o que eu acho que alguns podem estar questionando. A minha resposta é: não, eu não enlouqueci e continuo achando que evitar açúcar, industrializados e refinados pode contribuir muito para uma boa saúde. Mas tem algo que eu sugiro evitar a todo custo e que julgo mais prejudicial do que todas essas coisas. Sabe o que é?

Radicalismo.

trifleE já que estamos falando do que não faz bem, gostaria que evitasse também qualquer atitude de privação e sentimento de culpa, afinal, quando estamos falando de fazer algo pela nossa saúde, é impossível esquecermos o aspecto mental e o emocional.
Talvez seja difícil entender, mas são principalmente estes elementos -radicalismo, privação e culpa-  que tornam insustentável manter uma dieta por longos períodos. É justamente por isso que elas falham. Na verdade, eu poderia dedicar alguns textos a falar mal das dietas (e provavelmente farei isso), mas no momento estou tentando mostrar a você que está tudo bem se quiser comer panettone, então voltemos ao foco.

Eu sinceramente acredito que o ideal é se sentir inteiramente livre para escolher o que preparar e o que comer durante as comemorações. E, na verdade, fora delas também. Com isto não estou dizendo para comer sem pensar e colocar no prato tudo que estiver na mesa! Na verdade, essa total liberdade para escolher o que e o quanto comer faz com que tenhamos que pensar com muito mais cuidado do que se houvesse proibições: “O que eu realmente estou com vontade de comer?” e também “É isso que eu gosto e que eu acho que vai me fazer bem?”. Só assim a experiência pode ser bem aproveitada.

Pensando nisso, reuni algumas dicas e considerações que podem ser úteis para quem quer evitar privações ou exageros nessas ocasiões:

turkey1. Alimente-se bem nos dias próximos às festas
Um corpo nutrido fica menos suscetível a exageros alimentares e permite que você decida o que comer com tranquilidade, baseado em seus desejos, e não apenas movido por fome. Ou seja, nada de pular refeições ou evitar almoçar para “compensar” o que pretende comer na ceia, essa estratégia é um tiro no pé. Também não adianta guardar toda a sua vontade de comer algo específico para apenas uma ocasião – Uma mente tranquila é menos suscetível à compulsão. Resumindo: nada de privações!

2. Na hora da ceia, escolha com cuidado o que vai comer
Procure equilibrar comidas mais nutritivas, como o peru, castanhas e as saladas, com as sobremesas que você gosta! Olhe com atenção todas as opções disponíveis e selecione aquelas que você acha que vão te trazer mais satisfação.

3. Aproveite o momento da alimentação
Não coma distraído, com pressa ou em uma posição desconfortável. Realmente dedique um tempo a apreciar aquele alimento que escolheu, pois a atenção que prestamos ao que estamos comendo faz com que a experiência seja mais prazerosa e contribui muito para a satisfação. Também sugiro que não aceite comer alguma coisa que não gosta tanto ou que não está com vontade por pura pressão de quem oferece. E nós sabemos que isso acontece muito! O resultado é que você acaba comendo o prato oferecido e também aquele que você queria de verdade, podendo levar ao exagero e ao arrependimento. Evite!

4. Antes de repetir, avalie sua saciedadepanettone
Não é que você não possa comer outra fatia daquele bolo só porque ele está realmente muito bom. Se acredita que vai te fazer bem, você pode! Mas é essencial saber se você está comendo porque ainda tem fome, porque quer aproveitar novamente algum prato delicioso ou se é absolutamente sem motivo algum. Isso vai evitar que você coma “só por comer” e depois se sinta excessivamente cheio, transformando uma refeição prazerosa em uma situação de mal-estar, indisposição e provável arrependimento.

5. Ceia alternativa
Não posso esquecer aquelas pessoas que optam por fazer uma ceia mais leve, com versões modificadas dos pratos tradicionais e outras opções mais nutritivas, que podem ser tão boas quanto ou até melhores que os originais! Se você faz algo do tipo e realmente gosta, é fantástico! Mas também quero que entenda que, se este não for o caso, não há problema algum.

salad6. Exageros acontecem, não se desespere!
É possível que, mesmo tomando esses cuidados, a tendência de comer ou beber um pouco mais durante as festas faça com que você exagere um pouco. Isso não deve ser visto com reprovação, pois além do aspecto nutricional, a comida possui uma representação cultural muito forte e está intimamente ligada a momentos de celebração. E até mesmo o simples fato de sair da sua rotina alimentar pode fazer com que o corpo reclame! Para continuar se sentindo bem nos dias seguintes, sugiro focar em beber bastante água, optar por refeições leves e nutritivas, dormir bem e até fazer alguns exercícios simples para colocar o corpo em movimento, se houver possibilidade. No fim das contas, o mais importante de tudo é: não se culpe! Não comece alguma dieta maluca, não deixe de comer bem, não faça disso uma experiência negativa para o seu corpo e sua mente. Quando comer o que se tem vontade deixa de ser algo prazeroso, é porque há algo de errado. Uma ceia sem culpa não depende em nada das comidas que estão sobre a mesa, mas apenas de quem está comendo.

E apesar de parecer que eu só penso em comida, acredite que eu sei que as festas não se resumem a isso. Então não se esqueça de aproveitar o tempo para estar com as pessoas que você gosta, celebrar as coisas simples, agradecer e utilizar a sensação de renovação para mentalizar e planejar coisas boas para o futuro!

Inclusive, recomendo ler este texto da Melissa também, ó:
Conto de Uma Ceia de Natal – Escolhemos as Tradições ou A Saúde?

Imagens: Reprodução Flickr

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *